Carlos Vargas defendeu uma Tese de Doutorado sobre a Filosofia de Husserl


Carlos Vargas apresentou a primeira defesa de tese de doutorado em filosofia da PUC-PR: "A Concepção de Probabilidade a partir da Crítica de Husserl ao Psicologismo".

O trabaho está elencado na Mathematics Genealogy Project da American Mathematical Society:

https://www.genealogy.math.ndsu.nodak.edu/id.php?id=198417


A pesquisa pretende oferecer uma análise filosófica que explique as origens históricas de uma
filosofia husserliana da probabilidade a partir da crítica ao psicologismo lógico. No primeiro
volume das Investigações lógicas, Edmund Husserl utilizou a noção de probabilidade para
diferenciar a lógica pura da psicologia empírica. Ele também apresentou uma proposta de
teoria das probabilidades ampliando sua ideia de lógica pura como doutrina da ciência
(Wissenschaftslehre). Ainda nos Prolegômenos à Lógica Pura, Husserl apresentou uma
descrição da ciência empírica na medida em que criticava o psicologismo, coerente com a
classificação das ciências apresentada no final da obra.

A tese problematiza a concepção de probabilidade subjacente à crítica ao psicologismo e à ampliação da lógica pura. A análise da crítica ao psicologismo lógico e da probabilidade propriamente dita é precedida de uma descrição do desenvolvimento inicial da filosofia husserliana da lógica e da matemática.

O segundo capítulo, sobre o psicologismo, apresenta um contexto histórico do debate, mostrando a importância da noção de probabilidade e resumindo os argumentos de Husserl.

O terceiro capítulo, sobre a lógica pura, apresenta o contexto matemático da discussão. Foi incluída uma reflexão sobre a mathesis universalis e a classificação husserliana das ciências, diferenciando ciências teoréticas e empíricas.

No quarto capítulo, a filosofia husserliana da ciência é discutida no panorama geral da história da filosofia. A pesquisa também apresenta uma análise do estado da arte dos estudos filosóficos e matemáticos sobre a probabilidade e a indução, destacando o que se refere aos estudos sobre a filosofia husserliana da ciência.

No último capítulo, é feita uma análise geral do problema da probabilidade, incluindo análises
sobre algumas lições ministradas em Göttingen e sobre a periodização analisada na tese.
Finalmente, é indicada a divisão de tarefas entre cientistas e filósofos.

Destaca-se a importância da metodologia fenomenológica para o desenvolvimento de uma filosofia da probabilidade e para a fundamentação das ciências empíricas em geral. Como periodização, a pesquisa toma o problema do psicologismo lógico como motivação inicial, abordando o período do início dos estudos filosóficos de Husserl até as lições sobre lógica e teoria do conhecimento ministradas em Göttingen, entre 1906/07.

Como a filosofia husserliana da probabilidade é um tema pouco estudado, a pesquisa pretende delimitar os contornos do problema, indicando lacunas e possibilidades. Espera-se oferecer alguma contribuição para a compreensão do papel da concepção de probabilidade na crítica husserliana ao psicologismo.
A pesquisa aponta para possíveis desenvolvimentos da filosofia husserliana da ciência e da
probabilidade.